No momento em que desenrola o acto da votação, a CNE reconhece que o processo está a decorrer com toda a normalidade no país e na diáspora.

A Secretária Executiva Adjunta da CNE, Felisberta Moura Vaz, na sua declaração preliminar aos jornalistas, diz não haver registo de qualquer acto ou incidente que possa pôr em causa o processo de votação.

A porta-voz da CNE exortou os Presidentes das Assembleias de Votos no sentido de impedirem o uso de telemóveis nas cabines de voto para não comprometerem a liberdade e confidencialidade do voto. 1��!>|