Os dois candidatos a corrida á Presidência da República exerceram os seus direitos cívicos.

Domingos Simões votou nas proximidades da sua residência, no entanto momento após exercer o seu dever cívico, Domingos Simões Pereira diz acreditar na sua vitória para a construção da concórdia nacional.

Enquanto, Umaro Sissoko Embalóvotou em Gabú, zona da influencia do partido que o apoia.

O candidato do MADEM G-15 afirmouconfiante na vitória.

Esta manhã, o Presidente cessante também exerceu o seu dever cívico a frente da Sede da UDIB.

José Mário Vaz apelou a população para se dirigirem as mesas de voto.

Em Prábis, o Presidente da ANP, Cipriano Cassama, cumpriu o seu dever de voto, tendo afirmado que doravante o país passa a ser respeitado no concerto das nações.

O Primeiro-ministro também votou no mesmo sítio onde o Chefe de Estado cessante exerceu o seu direito cívico.

Nas mediações da sua residência, Aristides Gomesassegurou que o processo eleitoral guineense é transparente.

A Missão de Observação da União Africanadestacou a maturidade do povo guineense e pede aos actores políticos o respeito pela vontade popular expressa nas urnas.

Para dar maior credibilidade a segunda volta destas eleições presidenciais, destaca-se a presença das missões de Observação Eleitoral Internacional, nomeadamente a CEDEAO, CPLP, União Africana, Estados Unidos da América, Parlamento Britânico e Organizações da Francofonia da Cooperação Islâmica, entre outros.

No entanto, seis mil, setecentos e cinquenta efetivos das forças de defesa e segurança estão colocados a nível nacional para assegurar o processo de votação que está a decorrer desde 7 da manhã.

A garantia foi do Comissariado da Polícia de Ordem Pública. �RB%��72z