O grupo dos ‘15’ deputados dissidentes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) reafirmou hoje, 30 de Janeiro 2018, que os parlamentares ‘divorciados’ com os libertadores é que vão realizar o IX (nono) Congresso Ordinário do PAIGC.

A posição dos 15 dissidentes e seus apoiantes foi transmitida numa conferência de imprensa pela voz do coordenador dos quadros técnicos do PAIGC fiéis aos ’15’ deputados, Bamba Banjai.

Bamba Banjai reafirmou na ocasião que ‘é o grupo dos 15 deputados dissidentes’ do partido libertador que irá realizar o nono congresso ordinário dos libertadores como “havia sonhado o falecido deputado Tomane Mané, que era porta-voz do grupo dos 15 deputados dissidentes do PAIGC”.

Banjai disse ainda que há juízes que querem conduzir o país a uma ‘guerra civil’, acusando diretamente ao juiz de direito Guerra Ribeiro Infanda, que segundo disse decidiu sobre suspensão do IX Congresso dos libertadores na sexta-feira e, logo na segunda-feira, 29 de Janeiro, de acordo com Bamba, o mesmo juiz de direito tomou uma decisão diferente sobre o mesmo assunto, autorizando a realização do conclave do PAIGC.

Avançou ainda que os tribunais de Safim e do Bairro Militar tomaram também duas decisões diferentes sobre os mesmos assuntos, segundo Bamba, os decisores são os mesmos juízes, prometendo que o coletivo de quadros técnicos e os 15 deputados moverá amanhã, 31 de Janeiro, uma queixa-crime junto ao Ministério Público contra os referidos juízes.

Banjai disse que grupo dos 15 deputados e seus apoiantes sempre respeitaram as decisões judiciais, apesar de apontar algumas decisões que aos olhos deste coletivo são contraditórias. Citou vários tribunais que mandaram anular o congresso dos libertadores entre os quais o tribunal de Buba; de Safim, do Bairro Militar e de Bissorã.

“Apresenta vícios na sua preparação e comete grandes atrocidades contra os estatutos do PAIGC e as leis da Guiné-Bissau”, disse Bamba que fazia referência à organização do IX Congresso Ordinário dos libertadores.

Afirmou ainda que a atual direção do PAIGC não irá realizar o IX Congresso. Incutiu a responsabilidade das pessoas que poderiam morrer por causa da realização do nono congresso dos libertadores ao presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Paulo Sanhá e seu vice-presidente Rui Nené, respetivamente.

Bamba Banjai acusou ainda os dois responsáveis do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de terem uma relação de conivência com os libertadores. Disse estar solidário para com as forças de segurança, que no seu entender evitaram o derramamento de sangue hoje em Bissau.

Para Banjai, os mesmos juízes não tinham a competência de anular o mesmo processo que decidiram a favor dos 15 deputados e deviam ser outros juizes e em outra instância a fazer um novo pronunciamento sobre a providência cautelar.

FONTE:ODEMOCRATA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *